Neste fim de semana estivemos em um casamento atípico. O casamento de uma amiga nossa de turma de seminário. Ela, japoneza; ele, americano. Casamento triplo, porque foi um casamento feito em 3 línguas [:)].
Sakura (a noiva) ficou paralítica depois de contrair sarampo ao vir visitar os pais que estavam morando no Brasil. Nunca mais andou… até andar de novo – com ajuda de equipamentos ainda, mas trabalhando na fisioterapia para não precisar deles mais. Ela tem sido um grande exemplo de garra, dedicação e serviço ao Senhor.
Ron… bem, o Ron eu não conheço muito, exceto pelo que a Sakura nos contou. Mas com certeza é um homem muito dedicado à obra também, e tem se disposto a se sacrificar em prol da Sakura e a condição atual dela.
Talvez o que mais impressionou e marcou no casamento, foram os votos de Ron:
“meu corpo não é mais meu. Por isso, através dos meus braços, você pode alcançar o que antes não poderia; através de minhas pernas você pode ir onde antes não poderia ir.”
No fim das contas não é exatamente isto o que acontece conosco? Na verdade, somos muito mais incapazes como igreja diante de Cristo do que a Sakura diante de Ron. Nós somos totalmente e ridiculamente pentaplégicos espiritualmente e mentalmente. Tudo o que precisamos fazer, é permitir que a perfeição de Cristo viva através de nós… mas preferimos babar e resmungar em nossos próprios esforços. (Gálatas 2.19-20)
Com certeza foi um casamento histórico – o da Sakura com o Ron também.