Gosto muito de desenhar… e há algum tempo vi este trailer de filme (que mal posso esperar para ver) chamado “My kid could paint that” (Meu filho poderia pintar isto). Este filme me chamou a atenção por dois motivos: um – porque gosto de arte e desenho, pintura moderna pra mim não dá pra ser chamado de arte, exceto no sentido de “aprontar arte”, bagunça… porque é isso o que parece pra mim. dois – porque gosto de filmes, e filmes que tenham a ver com a realidade vivida.
Não, não estou falando que a pintura não é bonita… até eu mesmo já me aventurei pelos tortuosos caminhos de pintar coisas sem sentidos. Fica bonito. Mas não dá pra chamar de arte, é uma pintura que requer pouca habilidade – tanto que uma criança poderia pintá-lo. A trama do drama segue por aí como crítica, paradoxo, discussão.
Eu acho incrível como alguns quadros destes podem custar até algumas centenas de milhares de dólares, e belas pinturas ou trabalhos mais artísticos não tem valor algum.
Aproveitando o comentário sobre o filme, algo veio à minha mente enquanto começava a comentar sobre este ainda-não-visto-filme, isto é o que a sociedade tem vivido hoje em determinados locais. Não há mais padrão do que é bonito ou feio, valoroso ou sem valor, certo ou errado. Cara um interpreta a realidade à sua maneira. Se não há padrão, qualquer um pode ser MUITO bom em qualquer coisa. Seja artística, social, moral ou até espiritualmente. É necessário urgente estabelecermos padrões elevados que nos ajudem a nortear para onde nossa sociedade está indo.
Mas, dentre outras coisas, mal posso esperar para ver o filme.